quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

A Enfermeira Que Matou o Yorkshire e Os "Justiceiros" de Plantão


Era uma quinta-feira muito tranqüila, até que resolvi ver o que se passava pelo "front" do Facebook...

Aí me deparo com várias pessoas divulgando um vídeo em que um cachorro da raça yorkshire sofre agressão pela própria dona. A violência empregada contra o indefeso animal resultou na morte do mesmo, um ato inquestionável de crueldade. Mas qual seria o motivo para tanta violência? A dona do animal, uma enfermeira que mora em Formosa, Goiânia, disse que o animal lhe trazia muito trabalho e que, segundo ela, tem depressão.

Aí você se pergunta onde está a coerência disso tudo... Bom, eu sei que nós todos temos problemas, a vida não é fácil (para algumas pessoas até que é, mas não para a maioria), ninguém disse que seria. Vivemos cada vez mais com estresse por conta do cotidiano, às vezes nos sobra pouco tempo até mesmo para aproveitar com a família. Sim, todos nós sabemos que podemos perder a cabeça, cometer um ato do qual nunca imaginamos que seríamos capazes de realizar... mas, existem maneiras de evitar isso e acho que isso se aplicaria ao caso da enfermeira:
  • Se de repente a rotina dela era estressante ou passava por dificuldades na área profissional, que não pegasse um cachorro para criar, já que para criar um animal é preciso tempo e disposição.
  • Já que o animal lhe trazia problemas por conta do comportamento (o que acho duvidoso, pois geralmente essa raça é tranqüila), não seria melhor doá-lo? 
Para esse caso, acho que existiam alternativas.

O caso foi divulgado nas redes sociais, isso ganhou força e promoveu uma "comoção nacional". Existe muita gente com tempo de sobra nesse país, sem ter o que fazer. Antes que você me julgue pelo que vou dizer, vou deixar bem claro de que sou contra a violência, seja lá qual a forma e com quem seja. Continuando...

QUE P*%A DE GENTE É ESSA QUE GOSTA DE BANCAR "O JUSTICEIRO"?!

Frank Castle, o Justiceiro da Marvel Comics. Esse cara é f*%ão, mas você...
É sério, uma coisa é você ficar indignado com o caso, querer que a pessoa seja punida (e deve, cometeu um crime), mas, querer agredir e talvez até matar a pessoa? É, você é um "ótimo" exemplo de cidadão civilizado, e para quem não sabe nós não vivemos mais na Lei do Talião ("olho por olho, dente por dente"), mas sim, em uma sociedade com regras. E se você for burro, obviamente vai achar que estou defendendo a tal da enfermeira. 

O problema é que algumas pessoas (ainda bem que não são todas, caso contrário, estaríamos todos fu*%dos) vão pelo "calor da emoção", se empolgam com qualquer coisa. Isso também é detestável! É só procurar alguma página sobre o caso no Facebook ou ler os comentários em alguns sites que fizeram matéria sobre o ocorrido e vocês verão verdadeiros exemplos de gente civilizada. Se o ato da enfermeira já foi cruel, imaginem um contra ela... é aquilo: cuidado para não se tornar aquilo que você mais detesta. Clique aqui e veja os comentários na matéria do site G1.

As pessoas esquecem que podem responder na justiça por conta de ameaças ou agressões. E é óbvio que a enfermeira deve ser punida pelo crime que cometeu, mas não vamos perder a cabeça, okay?

Não vou aqui questionar o amor que as pessoas sentem pelos animais ou por seus animais de estimação. Eu, por exemplo, gosto dos animais, já tive vários cachorros, mas daí colocar na balança e dizer quem é mais importante: bicho ou gente, eu vou dizer que é gente. Outra coisa que me deixa puto, é que boa parte das pessoas hoje em dia se importam mais com seu bichinho de estimação do que com humanos. Não é o que parece? O caso do cachorrinho espancado até a morte "parece" ter comovido muita gente, e "parece" ter deixado muita gente indignada... seria assim caso a vítima fosse humana? Eu tenho minhas dúvidas.

E eu espero que outras injustiças, tão ou mais chocante do que essa, tenham a mesma mobilização que o "caso do cachorrinho". De preferência, quando a vítima for um ser humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários serão lidos e sempre que possível respondidos.