segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O Mestre das Marionetes

Max Lorde

O tema do artigo de hoje é incomum neste ambiente, mas já que sou o dono deste blog, quero expressar minha opinião sobre um dos assuntos mais comentados atualmente: o julgamento do "mensalão". 

Mesmo sendo um tema estranho aqui no blog, é difícil ignorar a importância sobre tais eventos da sociedade em que vivemos. Aos que não são preocupados, aos que não dão a devida atenção para a política, devem ter em mente que sentirão os efeitos dessa irresponsabilidade em um futuro não tão distante.

O repúdio em falar sobre política no Brasil é plausível, justamente por ser deprimente. Mesmo que não tenhamos tanta credibilidade nela, é perigoso deixar de lutar por uma política decente em um país como o nosso. 

Sobre o mensalão, devemos refletir sobre a reação de José Dirceu e José Genoíno à condenação do STF. Ao repudiarem a sentença, debocham do julgamento em si, como se aquele tribunal fosse exceção e eles, tadinhos, vítimas de perseguições políticas. Esse cinismo é semelhante aos dos marginais de "menor escala" que ao serem detidos, presos em flagrante, dizem com toda convicção: "sou inocente". 

Segundo eles (Dirceu e Genoíno), ao se defender, continuam sustentando que o mensalão nada mais é/foi do que um ato de rotina, algo que todos que almejaram chegar ao poder através do voto já o fizeram, sendo assim uma prática "normal", acima do bem e do mal. 

Para um partido que um dia já foi chamado de "partido ético", os tubarões do PT dão o exemplo da mais crua convicção de que os fins justificam os meios. Essa é ou não é uma moral que veda o sentimento de culpa? Essa "ética" também é notável nos anos 60, quando os revolucionários ousaram tomar armas contra o Estado brasileiro. 

Preocupante é o fato de que a população, especificamente as marionetes partidárias, sustentam que a dupla é inocente, que são apenas vítimas. Ainda ousam dizer que existe perseguição por parte da mídia, mas não que isso seja impossível, já que a mídia no Brasil é uma das piores no mundo, só que o detalhe que esquecem, é que sempre quem possui mais dinheiro poder, é quem manda na mídia. E pode incluir o PT como um dos partidos mais poderosos deste país.

Quando as pessoas deixam de diferenciar o moral do imoral, o certo do errado, nota-se que a revolução gramsciana, praticada pela Esquerda durante décadas no país, rendeu frutos perversos. Ao conversar com as marionetes sobre o mensalão, o ódio é logo manifestado, nem gostam de imaginar as conseqüências que isso trará para a trajetória do partido que tanto veneram. 

Os mais exaltados e cínicos chegaram ao cúmulo de chamar o relator Joaquim Barbosa de "capitão do mato" e "traíra"... Isso não é apenas racismo, é também algum tipo de doença psíquica grave.

O STF demonstrou possuir vitalidade e outros crimes precisam ser julgados, não somente os do PT, mas de todos os partidos que acreditam estar acima do bem e do mal. Ao contrário do que muitos possam pensar, apoiar e comemorar esse tipo de ação não quer dizer que você faz parte desse ou daquele partido. Não importa o partido, punição para todos os que cometem crimes.

Devo confessar que votei duas vezes no personagem que julgam ser incriticável, a mesma pessoa que dizem ser vítima de golpe midiático. Eu pelo o menos posso culpar a minha ingenuidade, pois era mais jovem.

Seria bom que as pessoas verificassem na História da Humanidade, as personalidades que também se achavam incriticáveis - Stalin, Hitler, Mussolini -, assim poderão notar a ameaça que o país corre nas mãos de quem deseja o poder absoluto. Tire como exemplo o que ocorre na Venezuela, tendo Hugo Chávez como "presidente". 

No fim, a falta de sensibilidade moral dos réus é algo escandaloso.

Nota do autor: a imagem usada neste artigo é a do vilão Max Lord, da DC Comics. Max Lord pode controlar mentes usando o dom telepático .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários serão lidos e sempre que possível respondidos.